Oficinas artísticas do SARAD contribuem para o recomeço de muitas vidas

Arte. Pequena palavra que pode ser entendida como uma habilidade dirigida para a execução de uma tarefa ou um conjunto de técnicas para a produção de objetos. Porém, no Serviço de Atenção e Referência em Álcool e Drogas (SARAD), essas quatro letras representam mais do que explicações teóricas: significam o recomeço na vida de muitas pessoas. Há cerca de dois anos, os pacientes da unidade vinculada ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) participam, semanalmente, de oficinas artísticas voltadas à marcenaria, à pintura, à escrita e à confecção artesanal de enfeites e objetos de decoração. As oficinas são acompanhadas pelas Enfermeiras Mariana Vulcano Neres e Patrícia Cristina Oliveira de Moraes e pela Técnica de Enfermagem Margareth Mendes Dantas que, além de realizarem o que a pioneira da Enfermagem moderna Florence Nightingale aponta como “a mais bela das artes”, investem parte de sua rotina também para aperfeiçoar as habilidades dos pacientes, em prol da

Janeiro é mês de conscientização sobre Hanseníase e Saúde Mental

Janeiro é mês de conscientização sobre Hanseníase e Saúde Mental



Neste mês de janeiro, a Secretaria Municipal de Saúde abordará dois temas importantes, a Hanseníase e a  Saúde Mental. 

Denominada de “Janeiro Roxo”, a campanha busca conscientizar a população sobre a Hanseníase, doença que contabiliza anualmente 30 mil casos novos no Brasil.

A hanseníase não é doença de uma pessoa só. Dentre as estratégias de enfrentamento está a avaliação das pessoas que são contatos dos pacientes. 

A doença é tratada em 6 meses para pacientes com poucos bacilos e 12 meses para pacientes com muitos bacilos. Mas há muitos casos de pacientes com alta carga de bacilos vivos mesmo após 24 meses de tratamento.

A transmissão da hanseníase ocorre por meio de contato próximo e contínuo com paciente não tratado. Apesar de ser uma doença da pele, é transmitida através de gotículas que saem do nariz, ou através da saliva do paciente. Ela afeta primordialmente a pele, mas pode afetar também os olhos, os nervos periféricos e, eventualmente, outros órgãos. Ao penetrar no organismo, a bactéria inicia uma luta com o sistema imunológico do paciente. O período em que a bactéria fica escondida ou adormecida no organismo é prolongado, e pode variar de dois a sete anos.

A hanseníase pode provocar graves incapacidades físicas se o diagnóstico demorar ou se o tratamento for inadequado.

O tratamento da Hanseníase é gratuito e disponível em toda a Rede Municipal de Saúde.

Outro foco da Saúde Municipal em janeiro é a Saúde Mental e Emocional. A campanha “Janeiro Branco” objetiva mobilizar a sociedade em favor da saúde mental, mudando a compreensão cercada de tabus e promovendo mais possibilidades a sociedade como um todo.

Estudos apresentados pela OMS (Organização Mundial de Saúde) e Ministério da Saúde do Brasil indicam que o país tem um crescimento vertiginoso de problemas relativos à Saúde Mental e à Saúde Emocional. Segundo dados de 2017 da OMS, a sociedade brasileira é a recordista latino-americana em casos de depressão, a campeã mundial em relação à ansiedade e a 4ª colocada em relação ao crescimento das taxas de suicídio entre os jovens da América Central e da América do Sul.

Assim, todas as equipes das Unidades e Serviços de Saúde do Município estarão envolvidas nesta campanha, promovendo atividades em parceria com a equipe NASF (Núcleo de Apoio à Saúde da Família), como atividades em salas de espera, rodas de conversa, atividades de bem estar e reflexão, dentre outras.

Comentários