Traficantes são presos no Santa Elisa no portão da boca de fumo

Uma dupla de traficantes foi presa na noite de ontem, no portão da boca de fumo do Santa Elisa, com maconha, crack, cocaína e dinheiro. A captura dos marginais foi feita por Policiais da Força Tática da Polícia Militar, que avistaram os dois suspeitos ao longe e perceberam que um deles ao avistar a viatura correu para o fundo do imóvel. Enquanto um dos policiais abordava um dos indivíduos no portão, o outro agente da lei conseguiu identificar que o segundo suspeito jogou uma sacola no próprio quintal. Ao verificar o que havia na sacola, os policiais não ficaram surpresos ao constatar que trata-se de 66 porções de crack prontas para a venda. Na busca pessoal os agentes encontraram com um dos traficantes mais 5 porções de crack, 3 porções de maconha, uma porção de cocaína, além de R$ 222 em dinheiro.  A dupla recebeu voz de prisão e foram conduzidos ao Plantão Policial onde foi confeccionado um Boletim de Ocorrência (B.O)  como tráfico de drogas. A dupla agora está presa à disposição

Símbolo da Paz ou a marca do Diabo?

Símbolo hippie ou cruz onde foi crucificado o apóstolo Pedro? Paz ou satanismo? Dúvidas como estas cercam o famoso símbolo cuja criação é dividida por dois autores, o imperador Romano Nero e Gerald Holtom (integrante da inteligência britânica na Segunda Guerra Mundial).

A origem pacifista do símbolo se dá em 1958, durante a Campanha para o Desarmamento Nuclear (Campaign for Nuclear Disarmament), movimento liderado pelo Reino Unido, e que se tornou a maior manifestação pacifista da Europa, liderado por duas organizações inglesas.

O símbolo foi desenhado pelo integrante da inteligência britânica durante a Segunda Guerra Mundial, Gerald Holtom, e toma como base a linguagem de bandeiras, quando se sobrepõe a N sobre a D (N de Nuclear e D de Disarmament).

Segundo Holton a linguagem das bandeiras, muito utilizada na aviação e na navegação marítima, é um código reconhecido mundialmente garantindo a legalidade e legitimando o símbolo. 

Dois anos após a sua criação, nos anos 60 surgiu o movimento hippie, os jovens passaram a contestar a sociedade e os valores tradicionais, militar e econômico. O começou nos Estados Unidos, impulsionado por músicos e artistas em geral.

A explosão do movimento hippie e a Campanha para o Desarmamento Nuclear ocorreram junto com a Guerra do Vietnã, iniciada em 1959, fazendo com os hippies americanos passassem também a usar o símbolo para questionar o alistamento militar, o envio de tropas e a própria guerra, que ocorria longe do território americano, no Sudeste Asiático se estendendo até 30 de abril de 1975. 

O símbolo foi usado em manifestações, passeatas e eventos de contracultura, durante toda a década de 1960 e em 1969 encontrou seu ápice no festival de Woodstock, ou "Uma Exposição Aquariana: 3 Dias de Paz & Música", organizado na fazenda de 600 acres de Max Yasgur na cidade rural de Bethel, no estado de Nova York, Estados Unidos.

O evento reuniu mais de 500 mil pessoas, e tornou o símbolo extremamente popular, em todo o mundo. Os hippies defendem o amor livre e a não-violência, sintetizado pelo lema "Paz e Amor". O movimento é constituído pelos direitos civis, igualdade e antimilitarismo nos moldes da luta de Gandhi e Martin Luther King.

Satanismo

A crença de que o símbolo representa seitas e ideais satanista estão relacionada com a crucificação do apóstolo de Cristo, Pedro,  em Roma entre os anos de 64 e 67 d.C, no Circo de Nero, localidade onde se ergueu o Vaticano.

Nero, último descendente de Júlio César, tornou-se imperador romano aos 17 anos, matou a mãe as 22 anos, assassinou a esposa, casou novamente e tornou a matar a mulher, que estava grávida, três anos depois.

A história de que Nero colocou fogo em Roma é um mito, mas realmente o império sofreu um forte incêndio e a responsabilidade sobre a tragédia recaiu sobre os cristãos. A partir de então, teve início a perseguição aos cristãos. 

Nero prendia, torturava, e transformava todos os que acreditavam em Cristo em atração de seu Coliseu. O local foi palco de centenas de mortes. 

Pedro foi uma das vítimas. O imperador sabia que o apóstolo era um dos líderes do movimento católico e o condenou à crucificação. Por se considerar inferior a Cristo Pedro fez um último pedido, ser crucificado de ponta cabeça. 

Nero sabia que a crucificação dessa forma seria dolorosa e para aumentar o martírio do líder católico decidiu quebrar os braços da cruz, tornando o processo ainda mais doloroso.

Segundo lendas cristãs, a crucificação não ocorreu na primeira vez em que o católico foi preso, já que ele havia conseguido escapar. Misteriosamente, a prisão onde estava desmoronou, no dia seguinte à sua captura.

A crucificação aconteceu anos após o desmoronamento, quando o apóstolo foi preso junto com Paulo, a condenação à morte foi rápida. Paulo foi decapitado, pois era cidadão romano e contava com esse benefício, e Pedro, por ser estrangeiro acabou crucificado.

No curto período em que permaneceu atrás das grades converteu 47 prisioneiros e dois soldados.

Nero batizou a cruz de Pedro como ''Sinal do Cristão Quebrado”, ou a “Cruz de Nero”.

Segundo achados arqueológicos da idade média, a Cruz de Nero foi difundida entre os satanistas. Entre os Vikings e escandinavos, a cruz era representada pela runa Tyr, ou Tyr  invertida, representando a morte.

A reflexão sobre o real sentido do símbolo, se serve à paz ou ao satanismo cabe a cada indivíduo. Acredito que os símbolos carregam a força que atribuímos a eles, se acreditamos na paz a teremos se cremos no diabo ele aparecerá.

Comentários