Polo Cuesta inicia construção de Planejamento Estratégico para o Turismo Regional

O Consórcio Polo Cuesta, em parceria com o Instituto Jatobás, deu início à construção de um Planejamento Estratégico para o turismo. Este documento irá auxiliar os municípios da região a compreender, estruturar e integrar ações para este setor nos próximos anos. O primeiro encontro foi realizado no último dia 25 de novembro, na Fazenda dos Bambus, em Pardinho, e contou com a presença de dirigentes municipais de turismo da região, que agrega nove cidades: Anhembi, Avaré, Bofete, Botucatu, Itatinga, Paranapanema, Pratânia, Pardinho e São Manuel. “Trata-se de uma iniciativa inédita para o consórcio, que em 2021 está completando 20 anos. Estamos em um momento de transformação. Precisamos planejar para executar com sucesso todos os nossos sonhos para este setor”, diz Thiago Henrique Donini, diretor executivo do Polo Cuesta. “Queremos nos estruturar, unir e organizar como progredir, olhar os futuros possíveis e construí-los, beneficiando a nossa região. Especialmente a economia local que o

Acadepol lança manual de investigação sobre drogas

Acadepol lança manual de investigação sobre drogas


A Academia de Polícia Civil Dr. Coriolano Nogueira Cobra (Acadepol) lançou, na tarde desta quinta-feira (04), o Manual de Investigação Sobre Drogas. A solenidade de lançamento da obra foi realizada na sede da Academia, localizada no bairro Butantã, na zona oeste da Capital.

O livro foi concebido com o objetivo de disseminar conhecimento a fim de preparar o policial civil para o pleno exercício de sua missão constitucional de apuração das infrações penais. A obra faz parte de um processo contínuo de melhoramento e adequação às demandas da sociedade.

O manual, que aborda aspectos práticos e técnicos sobre o tema, foi efetivamente escrito por professores da Acadepol. “Como a Escola da melhor polícia do mundo, temos que ser referência. E nós queremos ser referência não só policial, mas também no mundo acadêmico”, destacou o delegado Júlio Gustavo Vieira Guebert, diretor da Academia.

Sobre o  manual de investigação sobre drogas


A obra é o 1º volume de uma série que será produzida, cada um sobre uma modalidade criminosa, para a Coleção Coriolano Nogueira Cobra. Como o próprio nome diz, o livro foi inspirado na trajetória do delegado, e a Academia, inclusive, recebeu o seu nome em 1.988, passando a se chamar Academia de Polícia "Dr. Coriolano Nogueira Cobra.

Como delegado, Coriolano Nogueira Cobra chefiou com muita eficiência diversos departamentos da Polícia Civil. Foi nomeado delegado geral por dois períodos e, ao longo da carreira, escreveu o Manual de Investigação Policial, com a primeira edição em 1.956 e reeditada outras seis vezes.

Sobre os escritores


O secretário da Segurança Pública, general João Camilo Pires de Campos, participou da cerimônia e aproveitou a oportunidade para parabenizar os envolvidos. “Inteligência [policial] é pré atividade e a investigação é pró atividade. Vocês deixam um legado e partir dessa obra deixam de ser acadêmicos e passam a fazer parte da história”, ressaltou.

O desenvolvimento deste conteúdo foi coordenado pelo delegado divisionário da Divisão de Operações de Inteligência Policial do Departamento de Inteligência da Polícia Civil (Dipol), Clemente Calvo Castilhone Junior; e contou com a participação do delegado seccional de Guarulhos, José Aparecido Sanches Severo.

Também participaram da construção da obra o delegado titular da 3ª Delegacia de Crimes Contra a Fazenda do Departamento de Polícia de Proteção à Cidadania (DPPC), Antonio Carlos Manuera Silveira; e do investigador chefe da Divisão de Prevenção e Educação (Dipe), do Departamento Estadual de Prevenção e Repressão ao Narcotráfico (Denarc), Thiago Padoves Magno.

Todos os integrantes da Polícia Civil que participaram da elaboração do livro são professores da Acadepol. Além deles, por parte da Polícia Técnico-Científica, houve participação do diretor técnico de Serviço do Núcleo de Química do Instituto de Criminalística da Superintendência da instituição, Mauro Renault Menezes; e colaboração da senhora Célia Maria Castro Corrigliano, perita criminal de classe especial.

Comentários