Oficinas artísticas do SARAD contribuem para o recomeço de muitas vidas

Arte. Pequena palavra que pode ser entendida como uma habilidade dirigida para a execução de uma tarefa ou um conjunto de técnicas para a produção de objetos. Porém, no Serviço de Atenção e Referência em Álcool e Drogas (SARAD), essas quatro letras representam mais do que explicações teóricas: significam o recomeço na vida de muitas pessoas. Há cerca de dois anos, os pacientes da unidade vinculada ao Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu (HCFMB) participam, semanalmente, de oficinas artísticas voltadas à marcenaria, à pintura, à escrita e à confecção artesanal de enfeites e objetos de decoração. As oficinas são acompanhadas pelas Enfermeiras Mariana Vulcano Neres e Patrícia Cristina Oliveira de Moraes e pela Técnica de Enfermagem Margareth Mendes Dantas que, além de realizarem o que a pioneira da Enfermagem moderna Florence Nightingale aponta como “a mais bela das artes”, investem parte de sua rotina também para aperfeiçoar as habilidades dos pacientes, em prol da

Após briga judicial com Luciano, Zezé Di Camargo comemora sucesso de série: “Mais assistidas do Brasil”

Após briga judicial com Luciano, Zezé Di Camargo comemora sucesso de série: “Mais assistidas do Brasil”


Como esperado, a série documental sobre a família de Zezé di Camargo se tornou um dos maiores sucessos entre os lançamentos recentes da Netflix no Brasil. Em “É o Amor – Família Camargo“, o irmão de Luciano divide os holofotes com a filha, Wanessa Camargo, e detalha as intimidades e segredos dos famosos que conquistaram o país com o passar das décadas.

O projeto, dirigido por Ricardo Perez e que possui produção executiva de Marcus Buaiz (marido e pai dos filhos de Wanessa), estreou na plataforma de streaming em 09 de dezembro. Com menos de uma semana disponível para o público, a websérie já conquistou os assinantes da plataforma, e agora figura entre as cinco produções mais assistidas do momento.

Em seu perfil oficial no Instagram, Zezé di Camargo fez questão de agradecer o sucesso do documentário. O irmão de Luciano publicou um vídeo ao lado da herdeira, e relembrou fotos marcantes em toda a história de sua família.

“Estamos em #4 no @netflixbrasil entre as séries mais assistidas do Brasil! Que felicidade. Obrigado por todo carinho 🙌🏻 Não assistiu ainda? Está demais! Confira agora: É o Amor, Família Camargo”, escreveu o cantor na legenda da publicação, sendo visualizado por mais de 250 mil pessoas e recebendo uma enxurrada de elogios nos comentários.

No registro audiovisual promocional publicado por Zezé, o sertanejo revê uma antiga fotografia e conta para a filha como estava quando compôs um de seus maiores sucessos. “Foi nesse sofá, sentado aqui no chão, e escorado nesse sofá que eu fiz o grande sucesso da nossa carreira como compositor. E fiz “É o Amor”, explicou.

Embora não apareça na série, Luciano ainda é muito comentado pelos convidados que prestam depoimentos, e não poderia deixar de ser lembrado por Zezé, seu irmão e parceiro de dupla sertaneja há 30 anos. Em um determinado trecho da série, o cantor sertanejo conversa com seu filho Igor e fala sobre o fim da dupla com o irmão que, segundo ele, só acaba quando um dos dois quiserem.

Uma fala polêmica, no entanto, vem quando Zezé Di Camargo diz que eles ‘não são exemplo de união’ e que sua história não depende de Luciano, já que ele começou a conquistar suas coisas antes mesmo da dupla sertaneja ganhar notoriedade pelo Brasil:

“Não é porque a gente canta junto que tem que andar juntos, que as minhas férias têm que ser junto com ele (…) Não convivi com ninguém da minha família o tanto que eu convivi com o Luciano, e ele também. Chega uma hora que precisa dar um respiro um para o outro. Não somos nem um exemplo de união. Imagina… Eu ralei muito para chegar onde cheguei, é uma conquista minha, que eu acho que veio antes dele. Eu tenho uma história muito maior para contar que ele”, dispara Zezé.

Sobre as brigas, Zezé Di Camargo ressalta que ele e o irmão são pessoas diferentes e, por isso, precisam ter os seus espaços: “Nossa formação pessoal é totalmente diferente. A gente não diverge musicalmente, no trabalho, nada. Tem as discussões profissionais… Mas a nossa vida é diferente uma da outra”, conclui.

Comentários