Polo Cuesta inicia construção de Planejamento Estratégico para o Turismo Regional

O Consórcio Polo Cuesta, em parceria com o Instituto Jatobás, deu início à construção de um Planejamento Estratégico para o turismo. Este documento irá auxiliar os municípios da região a compreender, estruturar e integrar ações para este setor nos próximos anos. O primeiro encontro foi realizado no último dia 25 de novembro, na Fazenda dos Bambus, em Pardinho, e contou com a presença de dirigentes municipais de turismo da região, que agrega nove cidades: Anhembi, Avaré, Bofete, Botucatu, Itatinga, Paranapanema, Pratânia, Pardinho e São Manuel. “Trata-se de uma iniciativa inédita para o consórcio, que em 2021 está completando 20 anos. Estamos em um momento de transformação. Precisamos planejar para executar com sucesso todos os nossos sonhos para este setor”, diz Thiago Henrique Donini, diretor executivo do Polo Cuesta. “Queremos nos estruturar, unir e organizar como progredir, olhar os futuros possíveis e construí-los, beneficiando a nossa região. Especialmente a economia local que o

A história do Anel de Tucum ou popularmente conhecido, anel de coco

A história do Anel de Tucum ou popularmente conhecido, anel de coco


Todo mundo já viu ou ouviu falar do anel de coco, o acessório carrega diversos significados, podendo ser utilizado como representação de amizade, matrimônio e símbolo da comunidade LGBTQIA+.

Também conhecido como anel de coquinho, anel de coco e tucum, o surgimento do acessório e seu material representa muitos significados, há muitas décadas atrás. 

A história inicial do anel de tucum nasce no tempo do Império do Brasil, com início no século XIX. Na época, a realeza usava jóias de metais e ouro, enquanto que escravos e indígenas, criaram o chamado anel de tucum. Os senhores de engenho e as sinhás, em seus matrimônios usavam anéis de ouro, mas os escravos o faziam com o Anel de Tucum. 

No período da escravidão no Brasil, o Anel de Tucum, simbolizava para os escravos, símbolo de amizade, união e resistência na luta pela libertação. Esse anel então, se tornou para as camadas sociais oprimidas, um símbolo de aliança e parceria.

A história do Anel de coco


O tucum (Bactris setosa) é uma espécie de palmeira comum na Amazônia. Sua palmeira possui caules múltiplos e folhas, ambos repletos de espinhos. A palavra Tucum (ou Ticum) deriva do idioma tupi e significa "agulha para costura". A espécie recebe esse nome pois os indígenas brasileiros utilizavam seus espinhos para costurar.

Fizeram, então, desse objeto rústico um símbolo de amizade entre si, pactos matrimoniais e também de resistência na luta por libertação. Desse modo, o anel de tucum era um símbolo cuja linguagem só eles conheciam. Um símbolo secreto da amizade deles e de suas lutas cotidianas.

Um tempo mais tarde, os cristãos passaram a interpretar o anel de tucum como um símbolo de fé e compromisso.

Com o surgimento da Teologia da Libertação, nos anos 60, com o crescimento da teologia no Brasil e o apelo das causas dos mais pobres e abandonados na América Latina. Com isso, um grande grupo de pessoas se dedicaram à luta dos mais fracos, rendendo testemunhos e martírios.

Atualmente, indivíduos que defendem a igualdade de direitos entre as pessoas também podem usar para demonstrar seu engajamento com as causas sociais, independente de religião.

Em outra vertente e significado, membros da comunidade LGBT utilizam o anel de tucum em diferentes dedos, como uma forma de identificação da orientação sexual.

Em 2005, foi discutido no fórum online AVEN (Asexual Visibility and Education Network), o uso do anel preto no dedo médio da mão esquerda, para representar os assexuados. No Brasil, normalmente é utilizado o anel de tucum, por sua coloração.

Enquanto isso, é comum o uso do anel de tucum no polegar entre lésbicas, como uma forma de identificação entre elas.

Comentários