Começa o recapeamento da Rodovia Alcides Soares

Começou na última quarta-feira, 19, a tão esperada obra de recapeamento asfáltico da Rodovia Alcides Soares, que liga Botucatu ao distrito de Vitoriana. O recapeamento terá ao todo 12 quilômetros de extensão, desde a região do Residencial Cachoeirinha, até a chegada a Vitoriana. A obra terá supervisão do Departamento de Estradas e Rodagem, do Governo Estadual e também da Prefeitura de Botucatu, através da Secretaria de Infraestrutura. Os trabalhos estão sendo executados pelo Grupo Sanson, vencedor do processo licitatório. “Estive na obra, junto ao Secretário de Infraestrutura Rodrigo Taborda para acompanharmos o início dos trabalhos. É uma obra esperada há muito tempo pela nossa população e por isso faremos questão de acompanhar cada metro de asfalto novo para garantir que tudo seja executado da melhor maneira”, afirmou o Prefeito Mário Pardini. A expectativa é de que a obra dure 6 meses. O trânsito no local durante esse período funcionará, em alguns trechos, em esquema de “pare e sig

Hemocentro de Botucatu atinge nível crítico, com estoque para suprir demanda no máximo por três dias

Hemocentro de Botucatu atinge nível crítico, com estoque para suprir demanda no máximo por três dias


O Hemocentro do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu acende alerta para as doações no município. A região abastece outros seis municípios, como Anhembi, Pardinho e Conchas. Segundo Cláudio Lucas Miranda, diretor do departamento de Apoio e Assistência da instituição, todos os tipos sanguíneos estão em falta e o hemocentro faz apelo para captar mais doadores no município.

“Estamos com os estoques críticos e com dificuldade na captação. Isso quer dizer que conseguimos suprir no máximo três dias de fornecimento de sangue para todo o nosso hospital. Trabalhamos a maior parte dos dias com os estoques mínimos e esse estoque crítico implica em cancelamentos de procedimentos seletivos de reservas cirúrgicas e na assistência aos pacientes graves que dependem de uma transfusão sanguínea imediata”, explicou.

Para contornar a queda nos estoques, o hemocentro aderiu à Campanha Nacional de Doação de Sangue, em conjunto com o Ministério da Saúde. Segundo o ministro da pasta, Marcelo Queiroga, são realizadas três milhões de doações de sangue por ano na rede do Sistema Único de Saúde (SUS). Ele destaca a importância da doação regular.

“Vamos aproveitar essa oportunidade para reafirmar não só as ações de enfrentamento à pandemia, mas também a necessidade contínua de cumprir o preceito constitucional da saúde como direito fundamental. O sangue, ao longo do tempo, simboliza a vida. E, nesse sentido, é importante a doação regular de sangue. Doe sangue regularmente. Com a nossa união, a vida se completa.”

O Hemocentro de Botucatu atua como Referência Técnica na área de hemoterapia, sendo responsável pela manutenção dos estoques de sangue para a sub região de saúde de São Paulo, no pólo Cuesta; bem como atender oito agências transfusionais, uma unidade de coleta/transfusão e um Hemonúcleo Regional.

A sede do hemocentro está localizada no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu, na avenida Professor Mário Rubens Guimarães Montenegro. Para agendar a sua doação de sangue, disque  (14) 3811 6041 ou envie uma mensagem pelo WhatsApp (14) 9.9631-5650.

Moradores de outras regiões de São Paulo, que desejam doar sangue, podem procurar outros hemocentros localizados nos municípios de Marília, Ribeirão Preto, São José do Rio Preto, Campinas e na Grande São Paulo.

Solidariedade na pandemia

Mesmo com a pandemia, Patrícia Ramalho entendeu a importância de continuar doando sangue. Além de trabalhar como auxiliar de desenvolvimento infantil, ela também auxilia milhares de brasileiros com o ato solidário de doar sangue a quem precisa. Ela começou a doar sangue aos 18 anos e nunca mais parou. Hoje, aos 45 anos, Patrícia Ramalho incentiva outras pessoas a participarem da campanha de doação de sangue.

“Vidas podem ser salvas com a doação e isso é muito importante. A doação é rápida e tranquila, você vai estar fazendo o bem e não custa nada. Então, por favor, vamos lá é só um pouquinho de sangue e é muito rápido. A doação é um ato de amor ao próximo”, emociona-se a auxiliar de desenvolvimento infantil.

Critérios para doar sangue e medula óssea

De acordo com a Coordenação-Geral de Sangue e Derivados do Ministério da Saúde, o procedimento para doação de sangue é simples. Primeiro se faz o cadastro, aferição de sinais vitais, teste de anemia, triagem clínica, coleta de sangue e depois o lanche. Isso tudo leva em média 40 minutos.

Vale lembrar que até mesmo quem foi infectado pelo coronavírus pode doar sangue e medula óssea. No entanto, é necessário aguardar 30 dias após completa recuperação da doença. Quem teve contato com pessoas infectadas também precisa esperar 14 dias para poder fazer a doação, apresentando RT-PCR negativo e ausência de sintomas. Os vacinados devem esperar o tempo de imunização, que vai depender da marca do imunizante.

Para doar sangue é necessário ter entre 16 e 69 anos de idade e pesar no mínimo 50 quilos. Mulheres podem doar até três vezes ao ano com intervalo de três meses entre as doações. Já os homens podem doar até quatro, com intervalo de dois meses. A doação é voluntária e uma bolsa de apenas 450mL de sangue pode ajudar até quatro pessoas.

Candidatos à doação de medula óssea devem ter entre 18 e 35 anos, estar em bom estado de saúde e não apresentar doença infecciosa ou incapacitante. Segundo o Redome, algumas complicações de saúde não são impeditivas para doação, sendo analisado caso a caso.

Doar sangue e medula é seguro! Com a pandemia, todos os protocolos de contenção contra a Covid-19 estão sendo realizados. No dia da doação, será preciso apresentar documento de identificação com foto. Para saber onde doar sangue ou se cadastrar para doar medula óssea, disque  (14) 3811 6041 ou envie uma mensagem pelo WhatsApp (14) 9.9631-5650.

Comentários