Mulher envia maconha e k4 para o irmão preso na Penitenciária de Avanhandava

Agentes da Penitenciária “Valdic Junio Alves Primo” de Avanhandava apreenderam, na manhã desta quarta-feira (26), drogas escondidas em fundo falso de um pote de margarina. A encomenda teria sido enviada à unidade pela irmã de um preso. Durante vistoria realizada na presença do destinatário, a equipe localizou duas porções de maconha, pesando cerca de 16 gramas no total, e 550 pedaços de papel contendo k4, a maconha sintética. CONFESSOU Questionado pelos servidores, o detento confirmou que havia encomendado os entorpecentes com a sua irmã, que é devidamente cadastrada no rol de visitas do estabelecimento penal. A direção da Penitenciária de Avanhandava registrou boletim de ocorrência e instaurou procedimento interno para apurar o caso.

Bateu no portão, ameaçou a mãe e foi capturado pela GCM de Botucatu

Bateu no portão, ameaçou a mãe e foi capturado pela GCM de Botucatu


Na manhã de ontem (07), a Guarda Civil Municipal capturou um rapaz de 39 anos, que ameaçava a própria mãe, batendo fortemente contra o portão da casa onde ela mora.

Testemunhas que passavam pelo local se sentiram incomodados com a situação e acionaram a Guarda Civil Municipal, pelo telefone de emergência 199, e uma equipe foi deslocada até o local para verificar a situação.

A equipe chegou ao local para atender uma desinteligência familiar no Bairro Jardim Pastor e sem perder tempo fez o rapaz encostar na parede para a revista pessoal, porém nada de ilegal foi enontrado com o rapaz.

Entretanto, a mãe explicou que essa situação de ameaça já havia se repetido e exatamente por essa razão tinha uma medida protetiva contra seu filho. A equipe da Guarda Municipal decidiu então verificar a situação do jovem via INFOSEG/SID (Sistema de informação das Forças de Segurança).

Foi então que ficou constatado que havia em seu desfavor um mandado expedido pela Juíza de Direito 2° Vara Criminal do Foro de Botucatu como Descumprimento de Medidas Protetivas de Urgência. Ou seja, o jovem não obedeceu a ordem judicial de manter uma distância de 500 metros da própria mãe.

Ao perceber que o rapaz era um meliante recorrente os patrulheiros decidiram conduzir tanto ele quanto a mãe, que nesse caso foi vítima, à Delegacia da Defesa da Mulher (DDM), onde a autoridade de polícia judiciária a Delegada Doutora Ana Paula Baston Theodoro Bengozi, ratificou a voz de prisão dada pela equipe.

O caso acabou na elaboração de um B.O (Boletim de Ocorrência) como Descumprimento de Medidas Protetivas de Urgência, e de acordo com o Art° 24-A da Lei Maria da Penha n° 13641/2018, a pena para casos como esse é de 3 meses à 2 anos de detenção. O indivíduo foi recolhido à cadeia pública de Itatinga, ficando a disposição da justiça.


Comentários