Polícia Civil de Marília prende homem que comercializava drogas em condomínio

Policiais civis da Delegacia de Polícia de Investigações sobre Entorpecentes (Dise) de Marília, prenderam um rapaz, de 24 anos, por tráfico de entorpecentes, em um condomínio na zona rural da cidade, na manhã desta terça-feira (21).   Os agentes receberam a informação, de que um suspeito estava comercializando drogas nas dependências de um condomínio de prédios habitacionais, localizado na Rua Mário Bataiola.   Os agentes passaram a desenvolver as investigações e ficaram em vigilância velada, próximo ao local-alvo. Na sequência, avistaram o investigado em atitude suspeita e típica do tráfico de drogas e realizaram sua abordagem. Ele tentou fugir mais foi detido. Com ele, os agentes encontraram uma sacola que continha 93 porções de maconha, 52 pinos de cocaína, além de anotações de contabilidade do tráfico.   O homem foi autuado em flagrante por tráfico de drogas.

Vacinação atinge a meta de imunizar 80% da população botucatuense contra a Covid-19

Vacinação atinge a meta e 80% da população botucatuense foi vacinada
Foto - Facebook página pessoal do prefeito Pardini


 Até as 18 horas de ontem, domingo (16 de abril) informações davam conta de que 63.150 pessoas haviam recebido o imunizante contra a Covid-19, durante a vacinação em massa da população botucatuense. Os dados foram confirmados pelo Secretário Municipal da Saúde André Spadaro aos sites Leia Notícias e Notícias de Botucatu.

O Secretário de Saúde coloca que esses dados, com certeza são maiores, pois em diversos pontos ocorreram registros manuais, o que faz ele acreditar que o total deve aumentar atingindo entre 70 mil e 75 mil vacinados. Os números oficiais deverão ser divulgados amanhã, segunda-feira (17).

As expectativas do Poder Público é aplicar o imunizante em até 80% da população, estimativa otimista e sólida. Vale lembrar que ao todo a cidade recebeu do Ministério da Saúde 80 mil doses, do imunizante para atender a demanda dos moradores com idade entre 18 e 60 anos.

Caso os números divulgados pelo secretário aos dois sites se confirmem oficialmente amanhã, podemos considerar que as expectativas foram alcançadas.

Os dados, a situação, a luta pelo melhor da cidade garantiu momentos de fortes emoções ontem na escola Industrial, local onde o prefeito Mário Pardini vota e também onde ele foi vacinado contra a Covid-19.

Foto - Jefferson Farias


Conforme ele prometeu, foi o último a ser vacinado em sua sessão e não conseguiu segurar o choro, a simbologia do momento foi ainda mais forte pois o administrador público recebeu o imunizante das mãos do médico e Secretário da Saúde, André Spadaro. que também não se aguentou de tanta emoção.

Próxima aplicação ocorrerá em três meses reservando dois dias



Com certeza a aplicação da segunda dose não será tão corrida e contará com menos filas, pois é necessário considerar que em alguns pontos a espera pelo imunizante garantiu filas de até duas horas como na escola Martinho Nogueira.

Na escola a entrada por uma única porta gerou uma fila de aproximadamente 200 metros durante o horário do almoço, em torno das 11 horas e meio dia.

Para evitar esse transtorno a segunda dose será aplicada em dois dias, daqui três meses, em 8 e 9 de agosto. A informação pode ser confirmada pelo cartão de vacinação de alguns moradores que trazem essas duas datas diferentes.



Testagem em massa de Botucatu pode servir de exemplo para todo o País

Foto - Jefferson Farias


Durante entrevista coletiva realizada no pátio da Escola Cardoso de Almeida, e em declarações em uma sala na mesma escola, na manhã de domingo em Botucatu, o Ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, declarou que o exemplo de testagem aplicado nos moradores da cidade deverá servir de exemplo também para o restante do país, anunciando estudos da Pasta para campanha de testagem da Covid-19 em boa parte da população brasileira.

O sistema de testagem, serviu de suporte para que a vacinação em massa realizada no domingo se tornasse realidade e consiste basicamente no acompanhamento de todos os familiares e amigos que tiveram contato com as pessoas infectadas pelo novo Coronavírus. Incluindo ainda visitas da Guarda Civil Municipal (GCM), evitando que infectados saiam do isolamento social.



O ministro também foi questionado sobre a dificuldade na aquisição de vacinas e de se manter um fornecimento constante das doses, ele rebateu ressaltando que o País integra o acordo Covax Facility, ressaltando que seu ministério destinou algo em torno de US$ 150 milhões para conseguir uma cobertura vacinal de 10% da população.

As constantes paradas na linha de produção dos laboratórios que produzem as vacinas no Brasil, pela falta do (IFA) Ingrediente Farmacêutico Ativo, foi apontada como uma preocupação do ministro que explicou que essa é uma carência mundial. “É importante passar uma mensagem positiva para a sociedade brasileira, e não essa cantilena de que está faltando [IFA]. O Brasil precisa de tranquilidade para superarmos juntos essa dificuldade sanitária”, disse.

Porém acrescentou que apesar das dificuldades, o Brasil é o quinto País do mundo no que diz respeito à distribuição de doses

A vacinação em massa em Botucatu é uma iniciativa do projeto de estudo da vacina produzida pelo laboratório Astrazeneca, Universidade de Oxford e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), elaborado pela parceria entre a Prefeitura, Ministério da Saúde, Governo Federal, Unesp, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu, e Fundação Gates. com apoio da Justiça Eleitoral.


Ministro abriu vacinação em massa aplicando a dose em comerciária

Foto Jefferson Farias

O ministro da Saúde Marcelo Queiroga abriu a vacinação em massa da população botucatuense aplicando a dose do imunizante da covid-19 da Oxford/AstraZeneca/Fiocruz, em uma comerciária aposentada na manhã de domingo (16) na Escola Cardoso de Almeida.

A informação de que o ministro realizaria a aplicação abrindo o dia de vacinação, porém a comerciária Suze Helena Crespam, 57 anos, não foi a primeira botucatuense a receber o imunizante. A primeira, pelo menos na região histórica da cidade, foi a dona de casa Adelaide Teixeira de Campos, de 56 anos, e que foi vacinada no EECA (Escola Estadual Cardoso de Almeida), escola que apesar de ter o mesmo nome fica ao lado da unidade visitada pelo ministro.
Foto Jefferson Farias


A primeira foi a dona de casa Adelaide Teixeira de Campos de 56 anos ela foi vacinada na EECA.

O ministro chegou na escola por volta das 8h20, registrando um atraso de oito minutos e pouco antes de seguir para o pátio, onde aplicaria a dose da vacina, foi recepcionado por um pequeno grupo de autoridades em uma das salas da escola.

Na ocasião ele aproveitou para falar a respeito da pesquisa histórica realizada em Botucatu e da parceria entre o laboratório Astrazeneca, Universidade de Oxford e Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), elaborado pela parceria entre a Prefeitura, Ministério da Saúde, Governo Federal, Unesp, Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina de Botucatu, e Fundação Gates.
Foto - Jefferson Farias

Após a aplicação o ministro iniciou uma breve coletiva de imprensa onde a maioria dos jornalistas se atentaram a direcionar perguntas de cunho nacional com pouco foco no experimento do qual Botucatu faz parte, cabendo aos jornalistas locais os questionamentos referentes ao evento na cidade.

O início da coletiva, marcado por um pronunciamento do ministro ocorreu sem microfones, segundo um dos organizadores a ausência do equipamento evitaria que o momento se transformasse em uma espécie de palanque político, porém após insistência dos profissionais de comunicação um microfone foi entregue às autoridades.

Também participaram da cerimônia o Prefeito de Botucatu, Mário Pardini, o Embaixador Britânico no Brasil, Peter Wilson, o Secretário Municipal de Saúde de Botucatu, André Spadaro, o reitor da Unesp, Pasqual Barretti, dentre outras autoridades.

Presença de ministro é marcada por manifestação no domingo de vacinação em massa de Botucatu




Um pequeno grupo de cidadãos aproveitou a presença do ministro da Saúde Marcelo Queiroga em Botucatu e se concentrou em frente à Prefeitura de Botucatu para uma manifestação pacífica contra o presidente da República Jair Bolsonaro.

O grupo gritava palavras de ordem e hinos exaltando a ciência e o desenvolvimentos de vacinas, e se posicionando contrário ao posicionamento negacionista assumido pelo Presidente da República no início, e mantido em algumas situações até o presente momento, da Pandemia da Covid-19.

O grupo empunhavam faixas e cartazes com dizeres como “Fora Bolsonaro”, Bolsonaro Inimigo da Ciência dentre outros dizeres de protesto.

Uma enorme faixa trazia como principal lema: “Botucatu quer o Brasil vacinado também”.

Cartazes também foram colados em muros de escolas e prédios públicos, entre eles algumas seções eleitorais onde aconteceram a vacinação.

As primeiras vacinadas de Botucatu comemoram imunização e dividem o mesmo desejo

Foto - Jefferson Farias


A reportagem do site Segue Rumo ouviu as duas primeiras imunizadas da Campanha de vacinação de Botucatu, trata-se da dona de casa e manicure Adelaide Teixeira de Campos, 56 anos e a comerciária aposentada Suze Helena Crespam, 57 anos, e ambas manifestaram o mesmo desejo, que todo o Brasil estivesse incluído nessa vacinação em massa.
Foto - Jefferson Farias


Adelaide não recebeu os holofotes da mídia e vacinou quase que anonimamente na escola EECA Escola Estadual Cardoso de Almeida (EECA), por volta das 8 horas da manhã, a segunda entrevistada ficou conhecida nacionalmente como a primeira vacinada recebendo o imunizante diretamente das mãos do médico e Ministro da Saúde Marcelo Queiroga em cerimônia concorrida na escola escola Cardoso de Almeida, instituições de ensino vizinhas.

“Gostaria que todos do Brasil estivessem na mesma situação. Fico bastante feliz e satisfeita, tira uma grande preocupação de minha costas, afinal de contas esse vírus é bastante perigoso e estar livre de complicações através da vacina me deixa mais segura para trabalhar”, disse Adelaide.

A comerciária aposentada, Suze Crespam, ressalta que recebeu o convite de surpresa e se soubesse que seria tão assediada pela imprensa talvez até tivesse recusado o convite. “Ligaram em casa à noite me fazendo o convite e não tenho idéia de como fui selecionada. Me deu um nervoso e um frio na barriga e não esperava tanto assédio da imprensa, se soubesse talvez até tivesse recusado”, brinca. “Só espero que esse tipo de ação se estenda rapidamente por todo o Brasil para que todos possam respirar aliviados”, finaliza.

A pesquisa de vacinação em massa de Botucatu

Foto - Jefferson Farias

Além da efetividade contra as variantes, o estudo servirá para comparar o quão eficiente foi a vacinação em massa em relação aos demais municípios da região. Botucatu abriga uma unidade do Hospital das Clínicas da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp) e, por isso, tornou-se um polo de referência na região.

O estudo terá duração estimada de oito meses. O período incluiu a aplicação das duas doses – com intervalo de 90 dias – e o acompanhamento da população imunizada.

O município começou a vacinar hoje toda a população entre 18 e 60 anos contra a covid-19, em uma iniciativa que faz parte de estudo inédito sobre a eficácia do imunizante desenvolvido pela Universidade de Oxford, em parceria com a AstraZeneca e a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

-----------------------------------

Renato Fernandes Jornalista com ampla experiência, antes de ingressar na redação do Segue Rumo passou por importantes meios de comunicação da cidade onde reside (Botucatu), como Diário da Serra (20 anos), folha Serrana, Folha Regional, Revista O Lojista, blog O Grito Notícias, Solutudo. Experiente no jornalismo web e formado em Análise em Mídias Digitais e ampla experiência em SEO atuando ainda na redação, edição, revisão de textos, e produção de conteúdo para o Youtube


Comentários