Veículos interceptados em Itatinga seriam vendidos criminosamente na Colômbia

A equipe do (TOR) Tático Ostensivo Rodoviário evitou que dois veículos alugados irregularmente fossem repassados de maneira criminosa, na fronteira do Brasil com a Colômbia. A abordagem dos policiais ocorreu na madrugada desta quinta-feira, dia 03, na praça de pedágio de Itatinga, na Rodovia Castelo Branco.   Os policiais desconfiaram das informações desencontradas dadas pelos motoristas dos dois veículos, que segundo as autoridades perceberam algo errado quando perceberam que os veículos estavam trafegando como se fosse um comboio. O primeiro motorista dirigia um GM/Tracker, e disse que alugou o carro e que pretendia ir até a cidade de Corumbá-MS para passar o final de semana prolongado. Ele também adiantou que o condutor do outro veículo, um MBenz/C180, era amigo e iria com ele para a mesma cidade. Sobre o contrato de locação do automóvel o condutor apresentou uma foto do contrato, armazenada no aplicativo de conversas WhatsApp, porém o nome que constava no documento não batia com o

O que educação tem a ver com liberdade de imprensa?

O que educação tem a ver com liberdade de imprensa

 
A repórter investigativa Maria Ressa, das Filipinas, tem sofrido uma série de ataques pessoais, entre campanhas de abuso e ameaças online. Ela tem sido alvo de inúmeros  processos judiciais  por suas reportagens investigativas e inclusive já foi presa acusada de supostos crimes associados à sua profissão.

Este ano ela será a homenageada com o Prêmio Guilherme Cano de Liberdade de Imprensa, único concedido pela ONU (Organização das Nações Unidas). A homenageada deste ano em mais de 30 anos de carreira e já passou pelos principais canais de comunicação como CNN e a rede de TV filipina ABS-CBN News.

Em um ambiente virtual onde cada vez mais desinformação e ataques a jornalistas e veículos de imprensa são persistentes, o que a educação tem a ver com isso? Muitos desses ataques se dão por falta de conhecimento sobre os processos jornalísticos. Em 3 de maio comemora-se o Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

O primeiro ponto a ser destacado é que a comunicação tem espaço privilegiado na BNCC (Base Nacional Comum Curricular). Os estudantes precisam aprender a se comunicar, a identificar e interpretar os fatos com o objetivo de desenvolver um pensamento crítico.

Para que esse trabalho seja possível, é necessário que exista uma imprensa livre e responsável, capaz de auxiliar no entendimento que a sociedade tem sobre o mundo. Além disso, comunicação é um direito básico que deve ser preservado.

A escola tem papel fundamental na proteção de direitos e na promoção da formação de cidadãos. Fazer com que estudantes entendam o peso das informações em seus espaços de convívio e locais onde moram é um passo para isso.

Na prática, o ambiente escolar é campo fértil para incentivar estudantes a refletirem sobre informações, como são produzidas as notícias ou de que forma se dá o trabalho jornalístico, por exemplo. Os muitos jornais laboratório, possibilidade de rádios e podcasts e criação de vídeos são ferramentas que colocam os estudantes com a mão na massa, incentivando que a própria exploração e pesquisa deles reforcem a percepção sobre os papéis da imprensa.

O que isso significa? Colocá-los nessa posição de produtores de conteúdo faz com que vejam, na prática, o resultado da informação circulando. Evita que sejam meros consumidores passivos do que circula na internet e fora dela. Ao mesmo tempo, o conceito de cidadania é reforçado.

Nestes tempos em que a desinformação circula por vezes livremente, desaguando quase sempre em ataques e deslegitimação, educadores e educadoras devem estar alertas para objetivos de transformação que passam invariavelmente pela educação midiática e a importância de olhar para o jornalismo nas escolas.

Comentários