Começa o recapeamento da Rodovia Alcides Soares

Começou na última quarta-feira, 19, a tão esperada obra de recapeamento asfáltico da Rodovia Alcides Soares, que liga Botucatu ao distrito de Vitoriana. O recapeamento terá ao todo 12 quilômetros de extensão, desde a região do Residencial Cachoeirinha, até a chegada a Vitoriana. A obra terá supervisão do Departamento de Estradas e Rodagem, do Governo Estadual e também da Prefeitura de Botucatu, através da Secretaria de Infraestrutura. Os trabalhos estão sendo executados pelo Grupo Sanson, vencedor do processo licitatório. “Estive na obra, junto ao Secretário de Infraestrutura Rodrigo Taborda para acompanharmos o início dos trabalhos. É uma obra esperada há muito tempo pela nossa população e por isso faremos questão de acompanhar cada metro de asfalto novo para garantir que tudo seja executado da melhor maneira”, afirmou o Prefeito Mário Pardini. A expectativa é de que a obra dure 6 meses. O trânsito no local durante esse período funcionará, em alguns trechos, em esquema de “pare e sig

A trajetória e o papel político da canção latino-americana

A trajetória e o papel político da canção latino-americana

 
A trajetória e o papel político da canção latino-americana é tema do livro recém-lançado, da professora Tânia da Costa Garcia que analisa a complexa relação entre música e cultura, política e sociedade em três países da América Latina. Do folclore à militância: A canção latino-americana no século XX é fruto de uma década de pesquisa da historiadora da Unesp (câmpus de Franca) em arquivos da Argentina, Chile e Brasil.

Publicado pela editora Letra e Voz, Do folclore à militância: A canção latino-americana no século XX conta um pouco da história desse gênero musical a partir de pesquisas em arquivos, análise de álbuns e entrevistas com intérpretes e cancionistas dos três países, revelando processos culturais e políticos muitas vezes semelhantes entre eles.
propaganda
Em sua parte inicial, o livro discute a música como objeto de investigação do historiador, para em seguida tratar da relação da canção folclórica com os meios de comunicação de massa, e a relação desta canção popular com símbolos de nacionalidade e com o populismo.

A relação entre campo e cidade na trajetória da música popular é outro assunto abordado na obra. “No caso do Chile e da Argentina, essa canção folclórica vem do campo para a cidade, se estabelece como simbólico de uma identidade nacional, mas é construído um lugar imaginário para essa origem”, destaca a autora, cujas pesquisas foram realizadas em arquivos de Buenos Aires (Argentina), Santiago (Chile) e São Paulo.
propaganda
Na segunda parte da obra, a autora trabalha com a canção militante na América Latina, a partir de um estudo comparativo entre o manifesto do Centro Popular de Cultura (CPC), no Brasil, e o manifesto do Novo Cancioneiro, na Argentina. “Eu abordo semelhanças e  singularidades entre esses dois manifestos localizados no começo dos anos 60, um momento de efervescência cultural e de engajamento político”, explica a docente do câmpus de Franca.

O livro discute ainda como se deu a relação da canção latino-americana em terras brasileiras durante a década de 70. “Para falar deste tema eu entrevistei os músicos do grupo Tarancón e também Abílio Manoel, que tinha um programa famoso sobre música latino-americana na na Rádio Bandeirantes”, destaca.

Comentários