Pinacoteca recebe exposição “Em Volta do Tempo”, de Renata Egreja, em outubro

As telas da artista plástica paulista Renata Egreja serão a atração da programação da Pinacoteca “Fórum das Artes”, de Botucatu, a partir do dia 10 de outubro. A exposição “Em volta do tempo”, é resultado do Prêmio de Artes Visuais do ProAC LAB 2020, incentivado pela Secretaria de Cultura e Economia Criativa do Estado de São Paulo e Ministério da Cultura do Governo Federal.  Na cidade de Botucatu ela recebe o apoio das secretarias de Cultura e Educação, em parceria com o Museu Botucatu. A mostra mescla trabalhos inéditos de Egreja, apresentando 5 telas grandes sobre tela e 10 aquarelas, além da instalação imersiva “Mesa Posta” (2021), que convida o espectador a mergulhar na obra e observá-la desta perspectiva, com cores e formas sugerindo sons e movimento, propondo um estado de encantamento. A exposição, que ocupará duas salas e o átrio da Pinacoteca, faz parte de um projeto que remete a experiência de retorno à terra natal. Lugar em que a artista cresceu e agora regressa com um olhar

Saiba como assistir o Festival de Cinema Brasileiro Fantástico entre 12 e 18 de maio

Saiba como assistir o Festival de Cinema Brasileiro Fantástico entre 12 e 18 de maio

Se você chegou a esse post é porque você quer saber como assistir ao 1º Festival de Cinema Brasileiro Fantástico que acontece entre os dias 12 e 18 de maio com  41 produções entre longas e curtas-metragens além de lives e sessões comentadas no Instagram e Youtube.

Pois bem, a mostra reúne o melhor da produção nacional no que diz respeito ao horror, ficção científica e fantasia e estará acessível nas datas previstas na plataforma Wurlak através do site Wurlak ou no site Festival Fantástico.

Porém não basta pegar a pipoca e se sentar diante do computador ou celular para prestigiar as produções para assistir plenamente é necessário ainda um breve cadastro com nome, e-mail e senha para o login. Nada complicado, na verdade é bem simples.

A intenção dos idealizadores é contemplar o real maravilhoso, o estranho, o absurdo e o afrofuturismo. Gêneros e subgêneros do cinema fantástico garantindo a exibição gratuita e online, isso não é maravilhoso?

O bom desse festival é que ele agrega longas e curtas-metragens divididos em três mostras: Retrospectiva, Realizadores Fluminenses e Inéditos do Brasil e promover lives, sessões comentadas e uma masterclass.

Agora você deve estar se perguntando como isso é possível? Simples, o projeto conta com o patrocínio do Governo Federal, Governo do Estado do Rio de Janeiro e Secretaria de Estado de Cultura e Economia Criativa do Rio de Janeiro, através da Lei Aldir Blanc.

Portanto, se você é amante ou curioso sobre o tema, poderá assistir todas as 41 produções brasileiras, lembrando que, o festival vai disponibilizar oito longas e 32 curtas. Com exceção do filme “Sol Alegria” que, em exibição especial, ficará disponível por 24 horas.

"Sol Alegria" deve ser prestigiado com carinho e luzes apagadas, pois a produção é inédita nos cinemas brasileiros, o longa de Tavinho Teixeira, fala de um futuro distópico no qual uma família viaja pelo Brasil, sobrevivendo a uma ditadura governista. Entre os nomes do elenco, está o cantor Ney Matogrosso no papel de um toureiro.

Festival de Cinema Brasileiro Fantástico é dedicado à valorização da produção nacional


“O 1º FCBF é dedicado à valorização do cinema brasileiro fantástico produzido no século XXI. A Mostra Retrospectiva conta com 17 filmes produzidos em diferentes regiões do país e que se vinculam a três eixos temáticos mapeados por nossa curadoria: Horrores do Brasil; Maravilhoso e Cotidiano e Ficção Científica e Distopia. É uma ótima oportunidade de refletir sobre a produção do cinema brasileiro fantástico deste século, apresentando filmes ligados a gêneros massivos como o horror e a ficção científica, mas também outros menos conhecidos como o afrofuturismo e o realismo maravilhoso”, comenta Fabrício Basílio, um dos diretores e curadores do evento.

Comemorando as mais de 400 produções inscritas, Otávio Lima, também diretor e curador do festival, complementa: “Quando se fala em fantástico, uma reação comum é pensar no gênero ‘terror’. Nós queremos mostrar que o fantástico vai além de um só gênero e está mais do que nunca presente nas produções recentes do cinema brasileiro, principalmente em filmes independentes, universitários e primeiros filmes, o que nos mostra uma tendência do cinema no país. Nossa logomarca é um disco voador, que em meio a uma mata tropical, povoada por seres lendários, abduz um liquidificador. Essa estranheza e o deslocamento do mundo real serve para pontuar o que é o fantástico para nós.”

Para Pedro Alves, curador do Festival de Cinema Brasileiro Fantástico Online, “o evento funcionará tanto como um ponto de partida para os amantes do fantástico que não possuem muito contato com a produção audiovisual brasileira contemporânea, quanto como um possibilitador de exibição para filmes aguardados que anteriormente ficavam dependentes de suas exibições presenciais”. Segundo ele, “a seleção de produções consegue apresentar os diferentes tons possíveis do fantástico. O conjunto de filmes selecionados apresenta a pluralidade encontrada na cinematografia fantástica dentro do nosso próprio país”.

Programação da mostra e atividades paralelas do Festival de Cinema Brasileiro Fantástico


São três mostras: Retrospectiva, com oito longas e dez curtas-metragens realizados entre 2013 e 2020; Realizadores Fluminenses, com nove curtas produzidos entre 2018 e 2021 de profissionais nascidos ou residentes no estado do Rio; e Inéditos do Brasil, com 14 curtas-metragens finalizados entre 2018 e 2021 de cidades como Brasília, Belo Horizonte, São Paulo, Recife, Salvador, Cordisburgo e Manaus.

Entre os filmes inéditos no circuito comercial estão os longas “Sol Alegria”, de Tavinho Teixeira, e “Skull – A Máscara de Anhangá”, de Armando Fonseca e Kapel Furman. Um dos destaques de curta-metragem é “O Prazer de Matar Insetos”, de Leonardo Martinelli, vencedor do Prêmio do Público do Panorama Carioca na edição especial de 30 anos do Curta Cinema.

Com apoio do Centro de Artes UFF, a masterclass com Fabrício Basílio acontece no dia 18 de maio, às 17h, com o tema Entre horrores e maravilhas: duas tendências do cinema brasileiro fantástico contemporâneo. Basílio é graduado em Comunicação e Audiovisual e possui Mestrado em Comunicação pela Universidade Federal Fluminense.

Vai abordar o tema sob a perspectiva do cinema brasileiro fantástico contemporâneo a partir de dois eixos temáticos: horrores do Brasil e maravilhoso e cotidiano. Discutirá o gênero fantástico e suas complexidades no cinema e na literatura, focando no horror e no realismo maravilhoso e ilustrando como estes reverberam em filmes selecionados pelo festival. Não é preciso se inscrever antecipadamente, basta clicar aqui.

Serão promovidos oito debates online entre os dias 12 e 18 de maio, às 19h, com convidados especiais. Já a Mostra Retrospectiva terá cinco sessões comentadas por especialistas, a partir de vídeos publicados no IGTV do Instagram (@festivalfantastico) durante o festival. São eles:

13/05 – Histórias que Só Existem Quando Lembradas, de Julia Murat, Brasil, Argentina, França, 90′, 2012, 10 anos – Sessão comentada por Fabrício Basílio

14/03 – Chico, dos Irmãos Carvalho, Rio de Janeiro (RJ), 2016 – Sessão comentada por Waldson Souza

15/05 – Sol Alegria, de Tavinho Teixeira, João Pessoa (PB), 90’, 2018 – Sessão comentada por Arthur Lins

16/05 – O Desejo do Morto, de Ramon Porto Mota, Campina Grande (PB), 33’, 2013, 16 anos – Sessão comentada por Beatriz Saldanha

17/05 –
Morto Não Fala, de Dennison Ramalho, Porto Alegre (RS), 110’, 2019, 16 anos – Sessão comentada por Gurcius Gewdner

Comentários