Acidente na Castelinho mata criança de 4 anos em Botucatu

Uma criança de 4 anos morreu, em um grave acidente de trânsito, no quilômetro 11 da Castelinho (Rodovia João Hipólito Martins), na noite de domingo, 5. Segundo o Boletim de ocorrência, o acidente que vitimou a garota envolveu um Renault Sandero, um Fiat Uno e um GM Corsa, quando, segundo testemunhas o motorista do Sandero provocou o acidente ao tentar ultrapassar um outro veículo pela esquerda, porém não conseguiu, e ao voltar o veículo à direita acabou se deparando com o Fiat Uno e ao tentar voltar para a pista da esquerda chocou contra a traseira dos dois veículos. Com o impacto, os veículos que foram atingidos capotaram na estrada, matando a garota de 4 anos e ferindo outras 6 pessoas, inclusive uma gestante. No local do acidente foi constatado que o motorista que provocou o acidente estava embriagado. O teste do bafômetro, resultou na concentração de 0.53 mg/L (54 centésimos de miligramas de álcool por litro de ar expelido pelos pulmões).  A criança, nascida em Botucatu, foi socor

Comunidades Terapêuticas serão fiscalizadas remotamente



As comunidades terapêuticas serão fiscalizadas remotamente e pensando em fortalecer e tornar mais efetivas as reuniões nessas comunidades, o Ministério da Cidadania publicou portaria que institui a fiscalização de forma remota desse tipo de acolhimento.

A Portaria MC 625/2021, autoriza o monitoramento e fiscalização, por meio de videoconferências, de ações voltadas ao acolhimento e recuperação de indivíduos com transtornos relacionados ao uso, abuso ou dependência de psicotrópicos.

De acordo com o texto, a fiscalização será realizada por dois fiscais, sem aviso prévio à comunidade terapêutica e, no mínimo, uma vez durante a vigência de cada contrato. Esta deverá seguir alguns critérios de priorização como o quantitativo de vagas disponibilizadas e o mês de término da vigência do contrato.

Outro ponto importante é que cabe à instituição encaminhar a documentação solicitada pelos fiscais durante a fiscalização remota, por meio de protocolo digital, em até 12 horas após o término de sua realização.

As ocorrências verificadas durante a fiscalização serão registradas em relatório, devendo a cópia ser encaminhada à comunidade em até 30 dias após a sua realização. A Comunidade Terapêutica terá o prazo de 10 dias, após o recebimento, para recorrer.

O não cumprimento das obrigações, resultará nas sanções elencadas na legislação vigente e no respectivo instrumento contratual, sem prejuízo da rescisão contratual. 

Fonte: Brasil 61


Comentários