Mulheres indígenas chegam na reta final da caminhada de 2.000 km pela Argentina

Mulheres indígenas chegam na reta final da caminhada de 2.000 km pela Argentina, isso é importante pois grupos de mulheres indígenas do país empreendem uma caminhada desde o dia 14 de março em direção à cidade de Buenos Aires. Elas chegarão no dia 22 de maio na capital federal, dia da plurinacionalidade dos territórios. Para o bloco sul, a caminhada total será de cerca de 1.900km, e, para o bloco norte, 1.200km, segundo estimativas recentes das ativistas. Também partiram grupos do leste e oeste do país, reunindo mulheres de diferentes nações indígenas. "Caminhamos para propor que o terricídio seja considerado um crime de lesa humanidade e lesa natureza", afirmam, em comunicado. "Sabemos que não é o melhor momento para sair dos territórios. No entanto, se ficamos em casa, continuam nos matando." O conceito de terricídio foi criado pelo movimento de mulheres indígenas para englobar as diversas formas de assassinato das formas de vida. Trata-se de feminicídio, ecocídio

Tocantins destaca artesanato indígena como fonte de renda e preservação cultural



Tocantins destaca o artesanato indígena como fonte de renda e preservação cultural e ressalta o uso sustentável dos recursos de cada região habitada pelos povos indígenas tocantinenses, como fibras e sementes (tiririca, saboneteira, cabeça de formiga, boca de cobra, japecanga, entre outras).

A arte indígena das tribos de Tocantins adicionou materiais sintéticos, como miçangas, dá vida a uma infinidade de peças artesanais, de cestos, bolsas, tipitis e esteiras de uso rotineiro a maracás  feitas de cabaça e cuité para animar as festas e rituais, passando por adornos de cabeça, saias, colares com tramas ricamente elaboradas, além de uma infinidade de objetos e bonecas produzidas com madeira e cerâmica.

Devido à sua riqueza de cores, formas e usos, o artesanato é uma das mais conhecidas expressões da cultura tradicional, e há muito deixou os limites das terras indígenas para conquistar espaço de casas, empresas e corpos de não indígenas, tornando-se uma das fontes de renda das comunidades. Os conhecimentos recebidos pelos antepassados são transferidos para as gerações seguintes através da oralidade, da observação e da repetição.

“Os produtos indígenas estão sempre presentes nas feiras nacionais e internacionais de artesanato com participação tocantinense”, ressalta o presidente da Agência do Desenvolvimento do Turismo, Cultura e Economia Criativa (Adetuc), Jairo Mariano, ao explicar que o estímulo às atividades de fortalecimento da tradição e da geração de renda entre as comunidades indígenas é uma das preocupações da gestão Mauro Carlesse. “Temos buscado parcerias para ampliar a visibilidade e comercialização do artesanato, e a produção dos nossos povos está inserida neste planejamento”, completa.

BonecasRitxòkò


A produção artesanal dos povos tocantinenses carrega consigo referências sobre o modo de vida e as tradições de cada etnia. As mais famosas, porém, são as bonecas Ritxòkò, declaradas patrimônio cultural do Brasil em 2012. O artesanato, feito de cerâmica, é produzido pelas mulheres Karajá da Ilha do Bananal e tem um valor cosmológico, sendo fundamental para transmitir a cultura do povo para as crianças. É através da brincadeira com as bonecas que as meninas aprendem sobre o modo de vida Karajá, entram em contato os valores, as histórias e os mitos da sua aldeia e do seu povo.

A artesã Maxué Karajá ressalta que as peças são produzidas de acordo com a tradição de cada aldeia, não se restringindo ao uso do barro, mas também de madeira e outras matérias-primas.

A confecção das Ritxòkò é uma atividade exclusiva das mulheres e envolve técnicas e modos de fazer considerados tradicionais e transmitidos de geração em geração. A pintura e a decoração das cerâmicas estão associadas, respectivamente, à pintura corporal dos Karajá e às peças de vestuário e adorno consideradas tradicionais.

Fonte: Secom Tocantins

Comentários