Mulheres indígenas chegam na reta final da caminhada de 2.000 km pela Argentina

Mulheres indígenas chegam na reta final da caminhada de 2.000 km pela Argentina, isso é importante pois grupos de mulheres indígenas do país empreendem uma caminhada desde o dia 14 de março em direção à cidade de Buenos Aires. Elas chegarão no dia 22 de maio na capital federal, dia da plurinacionalidade dos territórios. Para o bloco sul, a caminhada total será de cerca de 1.900km, e, para o bloco norte, 1.200km, segundo estimativas recentes das ativistas. Também partiram grupos do leste e oeste do país, reunindo mulheres de diferentes nações indígenas. "Caminhamos para propor que o terricídio seja considerado um crime de lesa humanidade e lesa natureza", afirmam, em comunicado. "Sabemos que não é o melhor momento para sair dos territórios. No entanto, se ficamos em casa, continuam nos matando." O conceito de terricídio foi criado pelo movimento de mulheres indígenas para englobar as diversas formas de assassinato das formas de vida. Trata-se de feminicídio, ecocídio

Aos que chegam agora



Aos que chegam agora eu explico; sou um calado contador de histórias que assistiu a virada do um milênio e várias previsões de final dos tempos. Levo a rotina com muita vida em meus anos, sem pensar em ser unânime, porém prudente e seletivo.

Aos que realmente estão chegando agora, antecipo; sou de trato difícil, porém de coração mole e compreensão distorcida da realidade. Antecipo a época e revivo o futuro, consciente de que o passado é reflexo de nosso presente e somos aquilo que atraímos.

Ao que chegam agora, peço com carinho, puxe um banquinho e compreenda que realmente não devemos nos preocupar com o mundo que nos abriga, mas com o mundo que estamos deixando.

Aos que chegam agora relato causos de amigos do passado e que estão ainda hoje aos nossos lados... Na lembrança. Companheiros da BR sem estadia eira ou beira, aos estabelecidos e bem sucedidos, aos distantes e próximos, aos ricos de dinheiro e milionários de sentimento.

Aqueles que chegam agora saúdam os que já se foram e discutem como poderíamos mudar o mundo sem alterar a nossa cômoda realidade. Puxo na memória um tempo já esquecido onde o aperto de mão era mais forte que o clicar no mouse.

Ao que chegam agora não citarei minha idade, mas saiba! Trilhei caminhos obscuros para alcançar verdejantes jardins, andei por estradas de tijolos amarelos para me decepcionar com a embriagante visão da parede. Não me arrependo dos erros, me orgulho dos acertos e tenho convicção que o importante é a chegada. Apenas ela, com a bagagem de anos cheios de vida me darão histórias, causos que levarão a dúvida aos filhos e virarão lendas para os netos.

Aos que estão se aproximando agradeço. Aos que apenas passam lamento, pois o importante é puxar o banquinho e chegar, mesmo que seja só agora.

Comentários