Mulher envia maconha e k4 para o irmão preso na Penitenciária de Avanhandava

Agentes da Penitenciária “Valdic Junio Alves Primo” de Avanhandava apreenderam, na manhã desta quarta-feira (26), drogas escondidas em fundo falso de um pote de margarina. A encomenda teria sido enviada à unidade pela irmã de um preso. Durante vistoria realizada na presença do destinatário, a equipe localizou duas porções de maconha, pesando cerca de 16 gramas no total, e 550 pedaços de papel contendo k4, a maconha sintética. CONFESSOU Questionado pelos servidores, o detento confirmou que havia encomendado os entorpecentes com a sua irmã, que é devidamente cadastrada no rol de visitas do estabelecimento penal. A direção da Penitenciária de Avanhandava registrou boletim de ocorrência e instaurou procedimento interno para apurar o caso.

Siga sua trilha


Siga sua trilha
Não viva de nostalgia
Ela pode te parar
Vai te brecar
Levará ao retrocesso
Sem nexo
Só elos

Relembre o passado
De olhos no presente 
Na expectativa de um futuro
O que já teve atenção
Já foi visto e vivido
E os personagens...
Bem (mesmo hoje e sendo os mesmos); se tornaram outros 
Mudados...
...Pelo tempo, vivências, alegrias e tristezas

As garras do futuro assustam
Espanta os covardes, os medrosos e parasitas
O conforto do passado 
É aconchegante
Embriaga e vicia 

A saudade de um tempo ido
É igual aos mais caros entorpecentes
Vício paralisante motivado por lembranças
E conquistas que não retornam
Em um mundo onde as vitórias não devem parar

Que o passado seja um porto transitório de emoções
Não pousada para nossas mágoas e frustrações
Não colecione cacos de história
Construa seu caminho com conquistas diárias
Não pare na pista em um tempo que não volta

O caminhão das lembranças atropela quem o aguarda
Em busca de histórias já passadas.
Mas, constrói e leva para longe 
Aquele que decide seguir viagem 

Que o porto seguro das recordações 
Não te sufoque, não afogue
Ou o embriague com lembranças felizes
Graças a um presente amargo.

Fica estáticas no tempo
Te levará a um bom destino...
No banco da praça, ou sobre a marquise de prédios antigos
Usando como cobertor as sombras de seu passado lindo

Renato Fernandes

Comentários