Mulheres indígenas chegam na reta final da caminhada de 2.000 km pela Argentina

Mulheres indígenas chegam na reta final da caminhada de 2.000 km pela Argentina, isso é importante pois grupos de mulheres indígenas do país empreendem uma caminhada desde o dia 14 de março em direção à cidade de Buenos Aires. Elas chegarão no dia 22 de maio na capital federal, dia da plurinacionalidade dos territórios. Para o bloco sul, a caminhada total será de cerca de 1.900km, e, para o bloco norte, 1.200km, segundo estimativas recentes das ativistas. Também partiram grupos do leste e oeste do país, reunindo mulheres de diferentes nações indígenas. "Caminhamos para propor que o terricídio seja considerado um crime de lesa humanidade e lesa natureza", afirmam, em comunicado. "Sabemos que não é o melhor momento para sair dos territórios. No entanto, se ficamos em casa, continuam nos matando." O conceito de terricídio foi criado pelo movimento de mulheres indígenas para englobar as diversas formas de assassinato das formas de vida. Trata-se de feminicídio, ecocídio

Siga sua trilha


Siga sua trilha
Não viva de nostalgia
Ela pode te parar
Vai te brecar
Levará ao retrocesso
Sem nexo
Só elos

Relembre o passado
De olhos no presente 
Na expectativa de um futuro
O que já teve atenção
Já foi visto e vivido
E os personagens...
Bem (mesmo hoje e sendo os mesmos); se tornaram outros 
Mudados...
...Pelo tempo, vivências, alegrias e tristezas

As garras do futuro assustam
Espanta os covardes, os medrosos e parasitas
O conforto do passado 
É aconchegante
Embriaga e vicia 

A saudade de um tempo ido
É igual aos mais caros entorpecentes
Vício paralisante motivado por lembranças
E conquistas que não retornam
Em um mundo onde as vitórias não devem parar

Que o passado seja um porto transitório de emoções
Não pousada para nossas mágoas e frustrações
Não colecione cacos de história
Construa seu caminho com conquistas diárias
Não pare na pista em um tempo que não volta

O caminhão das lembranças atropela quem o aguarda
Em busca de histórias já passadas.
Mas, constrói e leva para longe 
Aquele que decide seguir viagem 

Que o porto seguro das recordações 
Não te sufoque, não afogue
Ou o embriague com lembranças felizes
Graças a um presente amargo.

Fica estáticas no tempo
Te levará a um bom destino...
No banco da praça, ou sobre a marquise de prédios antigos
Usando como cobertor as sombras de seu passado lindo

Renato Fernandes

Comentários