Traficantes são presos no Santa Elisa no portão da boca de fumo

Uma dupla de traficantes foi presa na noite de ontem, no portão da boca de fumo do Santa Elisa, com maconha, crack, cocaína e dinheiro. A captura dos marginais foi feita por Policiais da Força Tática da Polícia Militar, que avistaram os dois suspeitos ao longe e perceberam que um deles ao avistar a viatura correu para o fundo do imóvel. Enquanto um dos policiais abordava um dos indivíduos no portão, o outro agente da lei conseguiu identificar que o segundo suspeito jogou uma sacola no próprio quintal. Ao verificar o que havia na sacola, os policiais não ficaram surpresos ao constatar que trata-se de 66 porções de crack prontas para a venda. Na busca pessoal os agentes encontraram com um dos traficantes mais 5 porções de crack, 3 porções de maconha, uma porção de cocaína, além de R$ 222 em dinheiro.  A dupla recebeu voz de prisão e foram conduzidos ao Plantão Policial onde foi confeccionado um Boletim de Ocorrência (B.O)  como tráfico de drogas. A dupla agora está presa à disposição

Livre-comércio - Entenda a teoria por trás de Brasil x UE


Imagine este exemplo: A Venezuela produz milho e sapatos e a França também produz milho e sapatos e ambos comercializam entre si estes bens. Porém a França é mais eficiente na produção desses dois bens. Ela pode fabricar sapatos pela metade do preço da Venezuela e milho por um quinto do preço.

França, portanto, tem a vantagem absoluta na produção desses dois tipos de bens. Diante disso poderíamos supor que a Venezuela não poderia fazer muita coisa para competir com a França e que ao longo do tempo o país se tornaria cada vez mais pobre. Mas não é bem assim.

Neste caso, se a Venezuela se dedicasse todos os seus recursos para fabricar sapatos e a França para produzir milho, juntos acabariam produzindo mais sapatos e milhos do que se cada um produzisse individualmente.

Então a França poderia trocar o milho excessivo pelos sapatos venezuelanos, isso porque a Venezuela tem a vantagem comparativa da fabricação de sapatos, ao contrário do que ocorre com milhos, área na qual é muito menos eficiente do que os franceses.

Nada melhor do que mostrar um exemplo, com outros números, da Lei da Vantagem Comparativa do economista David Ricardo do seu livro “Princípios da economia política e tributação“ de 1817.

Por isso que países que fazem livre-comércio conseguem ser mais produtivos, produzindo mais o que sabem de melhor gerando mais empregos com produtos melhores ao preço mais justo beneficiando as populações envolvidas.

______________________________________________________


Por: Fernando de Camargo 
Conselheiro Financeiro - Graduado em Gestão Financeira com certificação da ANBIMA - Associação Brasileira das Entidades dos Mercados Financeiro e de Capitais - Tel: (14) 3354-3672 -  (14) 9975-42707 

-------------------------------------------------------------------------------

Comentários