Mulheres indígenas chegam na reta final da caminhada de 2.000 km pela Argentina

Mulheres indígenas chegam na reta final da caminhada de 2.000 km pela Argentina, isso é importante pois grupos de mulheres indígenas do país empreendem uma caminhada desde o dia 14 de março em direção à cidade de Buenos Aires. Elas chegarão no dia 22 de maio na capital federal, dia da plurinacionalidade dos territórios. Para o bloco sul, a caminhada total será de cerca de 1.900km, e, para o bloco norte, 1.200km, segundo estimativas recentes das ativistas. Também partiram grupos do leste e oeste do país, reunindo mulheres de diferentes nações indígenas. "Caminhamos para propor que o terricídio seja considerado um crime de lesa humanidade e lesa natureza", afirmam, em comunicado. "Sabemos que não é o melhor momento para sair dos territórios. No entanto, se ficamos em casa, continuam nos matando." O conceito de terricídio foi criado pelo movimento de mulheres indígenas para englobar as diversas formas de assassinato das formas de vida. Trata-se de feminicídio, ecocídio

A interessante aventura do transporte público


Outro dia tive a necessidade de utilizar transporte coletivo, o bom e velho Busão, e confesso: é bem melhor que utilizar o tradicional carro.


No abrigo de ônibus, se ficar de orelha em pé, ouvimos interessantes histórias, e nessa aventura, estava eu de bobeira no ponto quando duas jovens começam a dizer que não ririam votar em um certo candidato tido como machão, que Ele Não entraria no poder. Fiquei atento para ver até onde ia o diálogo e logo uma delas soltou:

- Se ele entra meu marido que está preso vai perder a vida

- Imagina meu irmão não poder nos visitar no Natal. Está certo que ele aparece apenas no dia 26, e não sabemos onde ele esteve nos dias anteriores, mas mesmo assim - adicionou a outra.

O ônibus chegou e entrei em seu interior logo na entrada, antes da catraca, um bêbado já anunciava:

- Você é um homem feio; você é uma mulher bonita; você é um rapaz horrível; você é uma jovem linda...
.
O bêbado me alertou: - Eita, você é horrível
.
Como se eu já não soubesse disso. Dei um sorriso, passei meu cartão, pois atualmente tenho o benefício de estar estudando e pago meia.

Fiquei em pé ao lado de um rapaz que comentava:

- Melhor feio que bêbado.

O rapaz me contou que estava desempregado e que usar o transporte público estava ficando difícil e que precisava entregar currículos no outro lado da cidade, mas que voltaria a pé para casa.

- Não tem jeito, na volta já reservei cinquenta currículos para entregar em todos os lugares que eu passar - disse.

Ele me contou que trabalhava como cozinheiro, e que tinha três filhos e que precisava trabalhar para ajudar a mãe que estava com câncer. Ficamos conversando até chegarmos ao meu ponto de destino.
Desci, resolvi tudo o que tinha que resolver e voltei para o ponto de ônibus, pois antes de voltar para a casa eu ainda precisava resolver uma situação em outro bairro no extremo da cidade.

O busão chegou, e ao passa meu cartão no leitor vi que tinha uma tal de integração, ou seja, eu iria para o outro lado da cidade, gastando apenas R$ 1,75. Cedi o lugar para uma senhora que me agradeceu e se pôs a falar.

-Esse mundo está perdido, na minha época a gente não andava com roupa tão curta, disse ela observando uma jovem estudante de shorts acima do joelho. Essa é uma pouca vergonha imagine ir assim para a escola - reclamou.

Perguntei a ela como era em seu tempo as salas de aula, e ela me disse: - Não sei, nunca estudei. Pego o ônibus certo porque é sempre o mesmo motorista. Quando ele tira férias levo uma semana para descobrir qual o coletivo certo - ressaltou.

Cheguei ao meu destino e pensei com meus botões. Com o preço da gasolina, quando é que conseguiria atravessar a cidade com menos de R$ 2,00, sem me preocupar com vaga de estacionamento; entender a opção de voto de duas desconhecidas de forma democrática sem as críticas e posicionamentos extremistas das redes sociais; se emocionar com a história triste de um desempregado, dar risadas com um bêbado crítico de beleza e ter e oportunidade de acompanhar a análise crítica sobre a educação moderna de alguém que nunca foi à escola e além de tudo compreender como uma pessoa analfabeta reconhece o ônibus correto que precisa entrar.
Andar de busão é uma interessante experiência social que ainda nos gera economia extrema em época onde o valor do combustível se aproxima a R$ 5,00. Recomendo essa experiência de vida a todos.

Comentários