Traficantes são presos no Santa Elisa no portão da boca de fumo

Uma dupla de traficantes foi presa na noite de ontem, no portão da boca de fumo do Santa Elisa, com maconha, crack, cocaína e dinheiro. A captura dos marginais foi feita por Policiais da Força Tática da Polícia Militar, que avistaram os dois suspeitos ao longe e perceberam que um deles ao avistar a viatura correu para o fundo do imóvel. Enquanto um dos policiais abordava um dos indivíduos no portão, o outro agente da lei conseguiu identificar que o segundo suspeito jogou uma sacola no próprio quintal. Ao verificar o que havia na sacola, os policiais não ficaram surpresos ao constatar que trata-se de 66 porções de crack prontas para a venda. Na busca pessoal os agentes encontraram com um dos traficantes mais 5 porções de crack, 3 porções de maconha, uma porção de cocaína, além de R$ 222 em dinheiro.  A dupla recebeu voz de prisão e foram conduzidos ao Plantão Policial onde foi confeccionado um Boletim de Ocorrência (B.O)  como tráfico de drogas. A dupla agora está presa à disposição

O necessário é pouco

Não se iluda o necessário sempre será pouco, almejamos o extraordinário, mesmo que nosso consciente afirme o contrário.
Contentamento é o que nos aproxima do fim, extermina sonhos e nos coloca na condição passiva de observadores do que nos rodeia.

Isso não significa que o simples não seja o extraordinário, afinal de contas esse termo é um tanto quanto relativo.

Viajei o brasil apenas com o que me era relativamente necessário em minha juventude, uma bolsa, um mapa e muito artesanato para vender ou simplesmente trocar pelas minhas necessidades diárias.

Conheci pessoas que tinham como necessário um carro, uma boa casa, uma bela conexão com a internet e muitas mulheres; outros estavam satisfeitos apenas pela presença de seu cão de estimação. Ambos tinham, relativamente e basicamente, as mesmas dificuldade em manter suas necessidade.



Cada ponto de vista deve ser analisado de um ponto e a conclusão que eu tive é que as necessidade te privam da liberdade real. O apego à realidade e ao que temos como valor necessário para a subexistência é o que nos move pelo mundo, mantêm as engrenagens sociais em funcionamento. Mas a busca pelo extraordinário é o que nos torna maiores, nos transforma em sonhadores.

O importante não são nossas necessidades, mas sim o por que se fazem importantes: Ego, posição, social, dinheiro, liberdade, prestígio, ou  simplesmente um saco de ração e uma marmita, cada um tem o que o motiva. Podemos fazer uma listagem enorme daquilo que nos faz seguir em frente.

Me atrevo a dizer que o necessário é sonhar. Manter acesso o descontentamento, é isso que nos faz seguir em frente. Considerar o necessário como algo material é minimizar a importância de nossos objetivos, reduzir nossas metas apenas ao palpável e fácil.

Não, eu não quero apenas o necessário, pretendo conquistar o extraordinário, voar pelas estrelas, abraçar o sol, pegar carona em um cometa, andar descalço no chão de terra, mergulhar em águas profundas para conhecer criaturas abissais, circular entre leões e brincar com golfinhos.

Meu necessário não é palpável materialmente, mas é o que alimenta meus sonhos e que me impulsiona rumo ao extraordinário.....

Renato Fernandes




Comentários