Exposição “Birds na Pina - Aves de Botucatu” já está aberta para visitação

A exposição de fotografias “Birds na Pina” já está aberta ao público. Os visitantes poderão contemplar imagens de cerca de 70 espécies de aves que vivem em Botucatu, registradas por diversos fotógrafos. Promovida pela Secretaria Adjunta de Turismo, a exposição oferece aos seus visitantes experiências interessantes, como uma mostra de comedouros caseiros, vídeos sobre o tema e cantos de aves disponíveis no espaço audiovisual, jogo da memória exclusivo, painéis sobre os biomas locais e tótens de pássaros gigantes. Quem passar por lá também poderá vivenciar a experiência de entrar em uma gaiola humana, e participar de oficinas, passarinhadas, rodas de conversa, visitas guiadas, contações de histórias e encontros com os fotógrafos e outros convidados. No próximo sábado, dia 30, às 11h30, no espaço da exposição, será feito o lançamento do “Guia de aves da Demétria 2”, de Gersony Jovchelevich, que apresenta 76 novas espécies locais, todas ilustradas com fotos e breves informações para facil

Ele preferiu flores em seu caminho de pedras

Arthur era um funcionário público da pequena cidade Laranjal Paulista, sua função era de extrema responsabilidade mas ainda assim tinha um certo tempo livre para ler e analisar bons livros e indicar aos amigos, com observações brilhantes

Simples e inteligente Arthur decidiu que construiria sua própria casa e queria um forte alicerce de pedras. Porém, para ter esse alicerce ele percorria um longo caminho entre a sua construção e a pedreira da cidade.

Ao longo desse caminho entre sua casa e a construção, a construção e a pedreira (onde ele ia religiosamente empurrando uma carriola de pedreiro, cheia muito cheia) não havia cores, era apenas o cinza da cidade e o marron da terra lisa e pronta receber as casas em um loteamento recém aberto.

O que me aproximou do Arthur foi um amigo em comum Daniel Leandro de Oliveira, e a literatura, Daniel me disse de um homem que gostava muito de ler e que fazia críticas e observações importantes nas margens de seus livros.

Fiquei interessado em conhecer essa pessoa de hábitos tão similares aos meus e perguntei a Daniel como encontrar o tal intelectual.

Daniel me respondeu. "Siga as flores".

Questionei, como assim?

E ele me deu as coordenadas que segui fielmente. No final de semana, com Daniel, fomos até o ponto indicado, seguindo as flores até a construção, que tinha como decoração um balaustre na parede, como se tivesse sido esculpido no local, e uma velha e medieval bomba de água em frente.

Assim conheci Arthur, e ele me passou muita coisa boa, indicou livros excelente, mas a curiosidade me atormentava, e após mais de meses de amizade perguntei a ele. Porque seu caminho é repleto de flores?

Ele me respondeu: - Por opção!

A curiosidade aumentou ainda mais: Como assim?

Arthur descobriu que a única maneira de mudar seu caminho é trilhando ele querendo mudança, então plantava as flores.

Meu último contato com Arthur foi no início dos anos 90, quando lhe demos de presente um livro "Decamerão", ele agradeceu e eu voltei para minha cidade natal: Botucatu.

Ainda sinto falta de amigos como o Arthur, o homem que muda seu caminho enquanto caminha sobre ele, ao invés de reclamar da trilha cinza ou do peso da carriola decidiu deixá-lo colorido e florido.

Renato Fernandes (Zero)

Homenagem a um grande e inesquecível amigo, baseado em fatos reais com quase nenhuma ficção.

Comentários