Acidente na Castelinho mata criança de 4 anos em Botucatu

Uma criança de 4 anos morreu, em um grave acidente de trânsito, no quilômetro 11 da Castelinho (Rodovia João Hipólito Martins), na noite de domingo, 5. Segundo o Boletim de ocorrência, o acidente que vitimou a garota envolveu um Renault Sandero, um Fiat Uno e um GM Corsa, quando, segundo testemunhas o motorista do Sandero provocou o acidente ao tentar ultrapassar um outro veículo pela esquerda, porém não conseguiu, e ao voltar o veículo à direita acabou se deparando com o Fiat Uno e ao tentar voltar para a pista da esquerda chocou contra a traseira dos dois veículos. Com o impacto, os veículos que foram atingidos capotaram na estrada, matando a garota de 4 anos e ferindo outras 6 pessoas, inclusive uma gestante. No local do acidente foi constatado que o motorista que provocou o acidente estava embriagado. O teste do bafômetro, resultou na concentração de 0.53 mg/L (54 centésimos de miligramas de álcool por litro de ar expelido pelos pulmões).  A criança, nascida em Botucatu, foi socor

Odeio os EUA, mas antes deixa eu beber uma Coca Cola

Vejo as pessoas falarem da América do norte e dos Estados Unidos como um câncer, uma doença a ser combatida, e por muitos anos eu estive também nessa trincheira; Mas pare para pensar, com sinceridade, poucas e raras pessoas podem dizer que  não são influenciadas diretamente pela Cultura Americana.

Será que nunca pisaram no McDonald's ou tomaram uma Coca Cola, não assistiram um episódio se quer de Lost, ou qualquer outra série produzida pelos canais americanos de TV a Cabo.

Você é daqueles que não assistiu nenhum desses programas americanos e se orgulha disso, e quando vai à festas como o Halloween, entre um bourbon e outro, evita assuntos referentes aos EUA. Opta por falar sobre o BBB, ou A Fazenda?


A cultura americana já está tão enraizada que é quase obrigatório saber falar o inglês, e frequentar  aulas onde filmes como Homem Aranha, Avatar ou Batman, são passados sem legenda.

A vontade que tenho, quando encontro alguem que se diz contra a cultura americana é dar uma gostosa gargalhada, mas me contenho, pois lembro que minha gargalhada é escandalosa, e pessoa revolucionária à minha frente pode sacar de seu bolso um Iphone para filmar o momento. Filme que com certeza renderia muitos views no canal do Youtube.

Como todos somos gananciosos (no bom sentido), o antimericano adora ter views no youtube, montou até um canal, com nome pomposo onde prega seus regulamentos e regras para combater a entrada da cultura americana no País, e com milhões de visualizações passa a receber pequenos pagamentos em Dólar, do Google.

Em nome de seu ódio ao governo monta páginas e grupos no Facebook, e aproveita ainda para fazer compras no Ebay, onde se encontra produtos mais baratos, já que a Black Friday ainda vai demorar alguns meses para acontecer.

À noite em casa, chora com a alta do Dólar, pois sabe que a moeda americana tem interferência direta com a nossa economia. Antes de dormir vai ao banheiro e aproveita para folhear uma revista Playboy.

Eu olho para esse tipo de indivíduo, muitas vezes ainda sustentados pelos pais, vestidos elegantemente com suas camisas lacoste e tênis Nike e percebo que contra algumas coisas não tem como travar guerra, pois culturalmente estamos comprometidos.

Essa é a globalização.


Renato Fernandes

Comentários